Exposição “olhares cruzados Brasil-Canadá na Casa Fiat de Cultura”

Foto: Kazuo okubo

Diferentes cenários e monumentos que revelam a beleza e identidade cultural de Brasília e Ottawa serão apresentados na exposição “Olhares Cruzados Brasil-Canadá na Casa Fiat de Cultura”, durante a programação da 5ª edição da Festa da Francofonia, em Belo Horizonte. A mostra que foi idealizada pela Câmara de Comércio Brasil-Canadá (CCBC), conta com 15 imagens da capital canadense, retratadas pelo fotógrafo brasileiro Kazuo Okubo e 15 da capital brasileira, registradas pelo fotógrafo canadense Daniel Stanford. A exposição é gratuita e estará aberta às visitações de 21 de março a 19 de maio.


 

A partir do olhar cruzado dos dois artistas, as obras da exposição apresentam os contrastes e semelhanças entre as cores, cenários e construções das duas capitais. As fotos de Brasília, por exemplo, revelam sua arquitetura e a modernidade em harmonia com a natureza local, além de um complexo arquitetônico e urbanístico imutável e uma paisagem mais homogênea. Já as imagens de Ottawa, mostram como o clima canadense afeta a rotina e a forma com que os habitantes e turistas se relacionam com a cidade. Além disso, na capital canadense, a arquitetura é formada por sobreposições de estilos e épocas, além de diferentes linguagens e contextos que juntos compõem sua paisagem urbana.

+Musicalização infantil desenvolve habilidades cognitivas

+Evento só para mães agita Belo Horizonte

 

anúncios

Os destaques

Duas obras estão em destaque na exposição. A imagem registrada pelo fotógrafo canadense Daniel Stanford, da lateral do Teatro Nacional Claudio Santoro, em Brasília, e a imagem registrada pelo fotógrafo brasileiro Kazuo Okubo, sobre a escultura Maman, em diálogo com a Catedral de Notre-Dame, em Ottawa.

 

Na fotografia de Stanford, a lateral do Teatro, criada pelo artista brasileiro Athos Bulcão, apresenta uma série de paralelepípedos que variam de tamanho e proporção. Na imagem é possível identificar o equilíbrio entre a arquitetura e a natureza, que juntas constituem parte da paisagem urbana da capital brasileira. O espaço foi projetado em 1958 por Oscar Niemeyer, com colaboração do pintor e cenógrafo Aldo Calvo, para ser o principal equipamento cultural da cidade. Localiza-se no setor cultural Norte e tem a forma de uma pirâmide, com cerca de 43 mil metros quadrados.

 

A outra obra em destaque mostra a escultura Maman, de Louise Bourgeois, uma aranha de mais de nove metros de altura em aço e bronze que abriga uma bolsa com 20 ovos de porcelana. O monumento foi criado em homenagem a mãe de Borgeois, que trabalhava como tecelã na oficina da família em Paris. Era considerada pela filha como uma mulher inteligente e protetora, assim como uma aranha. O monumento é uma metáfora de fiação, tecelagem, educação e proteção. Na mesma foto, em contraste com a escultura pós-moderna, está presente a catedral de Notre-Dame de Ottawa, em estilo neogótico, sede do arcebispado católico romano e a maior e mais antiga igreja no país, atualmente. A fotografia, portanto, reflete a diversidade da paisagem urbana do Canadá sob o olhar de um brasileiro.

 

As duas fotografias exemplificam o conceito da exposição de intercâmbio cultural, ao apresentarem as principais diferenças e semelhanças entre as duas capitais, sob o ponto de vista da paisagem urbana. Brasília como símbolo do modernismo e cenário uniforme e Ottawa formada por múltiplos estilos e tempos que se misturam.

anúncios



O trabalho do fotógrafo canadense partiu da arquitetura de Brasília. É possível identificar uma forte luz dramática sobre os monumentos que evidenciam a admiração do artista em relação às construções da cidade. “Eu procurava por todas as perspectivas que destacassem as linhas e horizontes únicos que é a cidade. Eu acredito que minha série sobre a capital brasileira reflete a cultura que é única no Brasil. Foi uma experiência muito positiva poder registrar uma cidade tão esteticamente rica que é Brasília”, declara Daniel Stanford.

 

 

anúncios

Festa da Francofonia – 5ª edição

 

A festa celebra a diversidade das culturas francófonas e a riqueza da língua francesa em todos os continentes.  Entre os dias 15 e 31 de março, diversos eventos como espetáculos teatrais e musicais, sessões de cinema, conferências, exposições de arte e gastronomia, além de concursos e encontros serão realizados em Belo Horizonte. A proposta da festa é promover o intercâmbio de brasileiros com universidades que adotam o idioma. Em 2019, a maior parte das ações tem foco na luta pela igualdade de gêneros e na celebração da participação feminina dentro da diversidade das culturas francófonas em todos os continentes.

 

A abertura oficial da Festa da Francofonia será na noite do dia 20 de março, o Dia Internacional da Francofonia, no Teatro José Aparecido de Oliveira, da Biblioteca Pública Luiz de Bessa. A programação completa do evento está disponível no site da Casa Fiat de Cultura: casafiatdecultura.com.br e da Festa da Francofonia – festadafrancofoniabh.wordpress.com.

 

Informações

Exposição Olhares Cruzados Brasil-Canadá na Casa Fiat de Cultura                                                                                                                                                       

Data: 21 de março a 19 de maio

Entrada gratuita

Loca: Casa Fiat de Cultura – Praça da Liberdade, 10 – Funcionários – BH/MG

Horário de funcionamento: terça a sexta, das 10h às 21h – Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

 



Written by Redacao

.

Musicalização infantil desenvolve habilidades cognitivas

Sucesso de bilheteria, “A Caminho de Casa” será exibido na edição de março do CineMaterna