Primeiro episódio da série “Cidade Encantada – uma aventura digital” será lançado dia 12 de outubro, em comemoração ao Dia das Crianças

Ao todo, doze histórias inter-relacionadas serão publicadas no Youtube, apresentando releituras de famosos contos infantis sob a ótica do cotidiano digital

Divulgação.

Se a Chapeuzinho Vermelho vivesse nos dias atuais, provavelmente faria chamadas de vídeo para matar a saudade da vovozinha em tempos de pandemia. E a Bela Adormecida, será que anda sonolenta porque passa as madrugadas acordada navegando na internet? Com uma proposta divertida e inovadora, o projeto “Cidade Encantada” vai lançar, a partir do dia 12 de outubro, uma série de doze peças teatrais infantis em formato on-line, com releituras de contos já conhecidos sob a perspectiva da realidade digital. Presente em todas as histórias, um perigoso e temido vilão: o Desconector, que almeja o mundo da internet só para si.

O vilão, Desconector. Divulgação.

As histórias serão disponibilizadas, quinzenalmente, pelo canal do Cidade Encantada no Youtube (www.youtube.com/cidadeencantada). Cada apresentação tem duração de 50 minutos.O produtor cultural Marcus Honorato, gestor e idealizador do projeto, explica que a ideia foi fazer uma adequação à versão original, antes realizada com ações presenciais em praças e espaços públicos das cidades mineiras. “Com a chegada da pandemia, o cenário artístico e cultural se transformou e a possibilidade de dar continuidade ao Cidade Encantada se limitou ao formato digital.”

Do tédio à imaginação

No primeiro capítulo da série, os amigos Edu, Mari e Lulu estão entediados e tristes em suas casas com a impossibilidade de passear e brincar com os amigos, até que surge uma ideia: criar um estúdio imaginário, onde tudo é possível. A partir deste encontro, a turma escolhe histórias para contar utilizando o poder da imaginação, mas tem que driblar o vilão digital Desconector, que faz de tudo para atrapalhar a diversão.

anúncios

Honorato atribui o roteiro inusitado ao desejo de entregar um conteúdo diferente do que já foi feito por outras companhias de teatro. “Ao longo desse período de isolamento, as histórias mais famosas já foram encenadas e transmitidas pelos canais digitais. Daí veio a estratégia da encenação dos contos infantis com direito autoral livre, numa releitura que insere a tecnologia na trama. Esta conexão com a realidade vivida pelas crianças é que diferencia a série das demais apresentações já disponíveis”, pontua Honorato, que pretende, com a adaptação, apresentar aos espectadores mensagens educativas sobre o uso da internet.

O segundo episódio da série já tem sua história confirmada: Chapeuzinho Vermelho. No enredo, a personagem terá traços e sotaque mineiros e o vilão Desconector vai aliciar o Lobo Mau para juntos enviarem vírus destruidores à casa da vovozinha. Todas as gravações vão ser traduzidas em libras, garantindo a acessibilidade dos vídeos.

Divulgação.

O projeto itinerante Cidade Encantada é realizado pela MH Produções Culturais desde 2017, com o patrocínio da Tambasa Atacadistas, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Além da série “Cidade Encantada Digital”, diversos outros conteúdos informativos, educativos e culturais serão postados nos canais oficiais do projeto, YouTube e Instagram (@cidadeencantadamg), ao longo das próximas semanas.

Written by Helio Paulo

Pátio Savassi apresenta exposição Design Vision – uma verdadeira obra de arte em tecido

Instituto Gil Nogueira lança o projeto “Ler é viajar”, um clube de assinaturas de livros com impacto social