Shoppings Del Rey e Estação BH vão distribuir cestas de Natal a famílias carentes

Em parceria com o Instituto Devolver, iniciativa busca ajudar 249 famílias da capital mineira que vão receber em casa os produtos natalinos

anúncios

Moradores de comunidades das áreas de influência de 27 shoppings administrados pela brMalls no país serão beneficiados pela campanha digital de arrecadação de cestas de Natal lançada pela empresa em parceria com o Instituto Devolver. Ao todo, 5.500 famílias de 26 instituições mapeadas pelo brMalls do BEM serão contempladas na campanha que dá sequência às ações de apoio às pessoas em vulnerabilidade social que começaram no início da pandemia.

Em Belo Horizonte, as cestas serão distribuídas pelos shoppings Del Rey e Estação BH para a Creche Comunitária da Vila Sumaré e à Orquestra Escola Criarte, respectivamente. As 249 famílias atendidas pelas instituições foram beneficiadas pela primeira etapa da ação social e receberam durante três meses cestas básicas digitais, que ajudaram no enfrentamento do período de pico da doença na capital mineira.

anúncios

Para Carla Ventura, coordenadora administrativa da Creche Comunitária da Vila Sumaré e mãe de um dos alunos, a notícia chega em ótima hora. “O auxílio que recebemos do brMalls do Bem foi essencial. Muitas famílias tiveram sua renda afetada drasticamente durante a pandemia e com a cestas conseguimos garantir uma alimentação equilibrada em nossas casas. Ficamos felizes em saber que esse projeto foi retomado e levará mais esperança e alegria ao nosso Natal”, afirma.

Com a missão de transformar a vida de crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social através da arte, a entidade assistida pelo Shopping Estação BH, a Orquestra Escola Criarte, localizada na região de Venda Nova, tem na batuta do músico José Alarico Elias Gonçalves sua maior força. “Já mudamos a realidade de mais de dois mil alunos, contribuindo para seu desenvolvimento, formando cidadãos mais conscientes e fortalecendo os vínculos familiares”, explica o responsável pela ONG que, criada em 2001, atende atualmente 92 alunos com idade entre três e 18 anos, alcançando um total de 80 famílias.

anúncios

A doação pode ser feita pelo site da campanha (www.institutodevolver.org.br/nataldobembrmalls/) ou via QR Codes espalhados pelos corredores e em árvores solidárias dos shoppings. Ao enquadrar o código com a câmera, o usuário será redirecionado para o hotsite da ação, em que poderá escolher a cidade, o shopping e destinar a(s) cesta(s) de Natal escolhidas, nos valores de R$ 25 ou R$ 50, doando quantas vezes quiser.

O Instituto Devolver tem todas as suas contas auditadas anualmente pela Grant Thornton e, divulgará as transações das doações desta campanha no seu site, bem como as fotos e relatos das entregas realizadas.

Movimento do Bem

Enquanto o Instituto Devolver, organização sem fins lucrativos, se responsabilizou pelo credenciamento das instituições, recebimento das doações, gestão e logística de distribuição da campanha, o brMalls do BEM pretende engajar lojistas e clientes dos centros de compra e lazer a ajudarem essas famílias a terem um Natal mais especial.

“Vivemos um momento delicado no país com o aumento do desemprego e queda no poder de compra. Por isso, estamos construindo uma rede de apoio nos shoppings e chamando os parceiros e clientes para esse gesto de solidariedade e para fazer a diferença no Natal de milhares de famílias” – afirma Vicente Avellar da Diretor Executivo de Operações da brMalls.

De acordo com Natalie Melaré, fundadora do Instituto Devolver, “é fundamental que empresas do porte da brMalls se engajem em ações de responsabilidade social. Nosso trabalho consiste em ouvir o que instituições precisam, o que as crianças precisam, conectando aqueles expostos à vulnerabilidade a pessoas e empresas com poder de transformação. Tudo isso de forma muito transparente, pois sabemos que, muitas vezes, as pessoas querem ajudar, mas receiam pelo destino da doação. Quando uma brMalls engaja nessa causa, ela inspira”, afirma.

RecordTV Minas realiza campanha em homenagem aos 123 anos de Belo Horizonte

COVID-19 e o mercado do livro brasileiro: dois anos de crescimento em dois meses de pandemia