Percurso de fotografia amadora integra o planejamento do Museu Regional da Pampulha

A atividade busca estimular olhares singulares de fotógrafos não profissionais sobre a arquitetura residencial presente nos 58 bairros da região

A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da Fundação Municipal de Cultura, e o Instituto Periférico apresentam a atividade “Percurso Fotográfico Casas da Pampulha”, em que o olhar fotográfico do belo-horizontino é protagonista. A ação tem o objetivo de estimular olhares sobre a composição urbanística da região através de registros fotográficos da diversidade e da pluralidade arquitetônica residencial da Pampulha. Os interessados devem inscrever sua foto no formulário que está no link,https://cutt.ly/xmxz64a, entre os dias 9 de julho e 6 de agosto. A iniciativa acontece em parceria com o projeto Quanto Tempo Dura um Bairro e integra a programação cultural do Museu Casa Kubitschek, no Pampulha Território Museus. Mais informações em www.pampulhaterritoriomuseus.com.br.

 

Além de proporcionar uma investigação que busca gerar uma coletânea de imagens sobre a paisagem, composição, ocupação urbanística e o modo de morar na Pampulha, a partir do olhar singular de cada participante, sem se prender ao monumentalismo modernista.

anúncios

 

Para ter sua inscrição validada, a casa fotografada precisa estar em algum dos 58 bairros da Pampulha, visíveis a partir das ruas. Vale imagens feitas por qualquer equipamento fotográfico, incluindo aparelhos celulares. Podem ser registrados todo tipo de imóveis, detalhes, fotos de fachadas, de jardins, de azulejos, etc. As imagens serão aceitas com resolução a partir de 720x1080px, no formato horizontal (paisagem).

 

QUANTO TEMPO DURA UM BAIRRO

A partir de uma investigação sensível sobre memória, patrimônio, urbanidade e arquitetura, o coletivo Quanto Tempo Dura Um Bairro apresenta a cidade de Belo Horizonte através de coletâneas multimídia. Em 2020, o coletivo lançou um livro que registra imóveis históricos de bairros tradicionais de BH.

 

MUSEU CASA KUBITSCHEK

O Museu Casa Kubitschek (MCK) integra o Conjunto Moderno da Pampulha e tem como sede a casa modernista construída para ser residência de fim de semana do então prefeito Juscelino Kubitschek (1940-1945). Marco da arquitetura moderna dos anos 1940, a casa projetada por Oscar Niemeyer é cercada por exuberante jardim planejado pelo paisagista Roberto Burle Marx, em terreno de aproximadamente 3 mil metros quadrados. O museu foi inaugurado em 2013, com o objetivo de oferecer ao público experiências reflexivas e sensíveis no campo do paisagismo, da arquitetura residencial, dos modos de morar e da história da Pampulha, por meio da realização das ações de aquisição, conservação, investigação e difusão de acervos referenciados no movimento modernista e na ocupação da região da Pampulha.

SOBRE O PAMPULHA TERRITÓRIO MUSEUS

anúncios

O Museu de Arte da Pampulha – MAP e a Casa do Baile são reconhecidos pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade, e o Museu Casa Kubitschek é um importante ícone da arquitetura residencial modernista. Os três são unidades museais presentes na paisagem cultural do Conjunto Moderno da Pampulha. Ao reconhecer sua importância e representatividade para Belo Horizonte, o “Pampulha Território Museus”, lançado em dezembro de 2020, busca promover cada um desses espaços, valorizando suas vocações museológicas e sua relação com a cidade. Por meio da parceria entre a Fundação Municipal de Cultura e a OSC Instituto Periférico, selecionada por meio de edital, os museus recebem uma programação cultural inovadora, com exposições, atividades culturais e educativas, estimulando a participação ativa dos cidadãos. Até dezembro de 2021, a iniciativa realizará 3 exposições, 20 atividades culturais, 48 atividades educativas, 10 projetos de design e 3 publicações.

Por Redacao

.

Setor de eventos discorda de decreto publicado pela Prefeitura de Belo Horizonte

Câmara de Comércio de BH aprova projetos de incentivo ao grafite e combate ao grafite