Oito de março também simboliza a união e solidariedade

Foto: Divulgação

O Dia Internacional da Mulher surgiu no final do século XIX nos Estados Unidos e na Europa, pelas lutas femininas por melhores condições de vida e trabalho e direito de voto. Em uma época em que o feminicídio tem sido cada vez mais discutido, o próximo 8 de março deve ser lembrado como um dia de luta e combate.  “É importante darmos apoio umas as outras e nos unirmos. Existem muitas de nós vivendo situações difíceis até de imaginar”, comenta Milagros Isaia, coordenadora de Marketing do Hub Social.



“Este dia serve para refletirmos na importância do feminino e para reafirmar a luta por uma sociedade cada vez mais igualitária em todos os âmbitos”, comenta o CEO, Daniel Gonzalez. O Hub Social é um ambiente que fomenta o ativismo em diversos seguimentos. Com auxilio de capacitação da conceituada Dom Cabral, este ano incuba e acelera mais de 50 projetos sociais de Minas Gerais, por meio da inciativa chamada Hub Lab, que recebe gestores na sede para aulas e ações de melhoria junto à comunidade. O intuito é profissionalizar as Iniciativas de Impacto Social da Grande BH.

anúncios

Atualmente gestoras de três projetos que trabalham ajudando mulheres fazem parte do HubLab 2019. Confira abaixo quais são:

Associação Comunidade Terapêutica Mães E Filhos

A instituição apoia mulheres, gestantes ou não, e crianças com até três anos de idade, para tratamento de dependência química e em situação de rua.

Localizada em Itaúna e com sete anos de atuação junto à comunidade, hoje atende 30 mulheres e oito crianças. Tem vários casos de recuperação e desenvolvimento de vida pela assistência da comunidade.

O acolhimento funciona por tempo indeterminado e atende a necessidade de várias localidades do Brasil.

Aurea Lúcia Slow Fashion

 O projeto começou a funcionar em 2005. Uma ideia socioambiental de moda, com utilização de tecidos e corantes naturais, focada na reinserção de mulheres com mais de 60 anos no mercado em processos de design e produção de circulares.

A gestora do projeto Aurea Lúcia acredita não só em ajudar mulheres a ter uma nova fonte de renda, como também reinserir ao convívio social, por isso as mulheres participam de todas as etapas da produção.  Hoje são quatro idosas integrantes do projeto, que funciona no bairro Caiçara, Regional Noroeste.

anúncios

ComPaixão

Localizado no bairro Serra, o Projeto Compaixão tem como objetivo prestar apoio à mulheres em contexto de prostituição, nos aspectos: psicossocial, saúde e jurídico. São mais de 1.000 mulheres impactadas por esse projeto, que atua desde 2008.



Por Redacao

.

Estácio Floresta vai oferecer diversos tratamentos de graça para as mulheres

Confiança da construção mineira é a maior para fevereiro em oito anos