Mercadão Internacional de Lagoa Santa recebe visita do INDI

Órgão público aposta no empreendimento como grande atrativo gastronômico e cultural na retomada da economia e aponta novas tendências de consumo

No dia 29 de julho (quinta-feira) a equipe diretora do Mercadão Internacional de Lagoa Santa recebeu a visita do diretor de atração de investimentos Adriano Carvalho e dos analistas Caio Moura e Larissa Souza, do INDI MG - órgão ligado à agência de desenvolvimento do estado de Minas Gerais.

Essa foi a segunda vez que a equipe do INDI esteve no Mercadão. Desta vez, trouxeram ainda mais ideias e conexões para o empreendimento que, com 90% de suas obras concluídas, irá gerar muitos empregos formais e informais após a inauguração, além de proporcionar mais lazer e cultura aos moradores da região de Lagoa Santa e aos frequentadores do Mercadão.

Para o diretor do INDI, a primeira coisa que surpreende no Mercadão é justamente o visual. “Ele contempla tanto espaços internos como externos. As fotos não traduzem o tamanho real. É tudo muito grande, bonito e feito com muito capricho”, diz.

Outra qualidade destacada por Adriano Carvalho é a localização estratégica, uma vez que o Mercadão fica na entrada da cidade de Lagoa Santa, além de ser próximo do Aeroporto Internacional de Confins e de Belo Horizonte. “Ao mesmo tempo que há todas as facilidades urbanas, é como se não estivéssemos dentro da cidade”, diz.

O novo turismo

Atento à retomada da economia e às mudanças das tendências de consumo pós-pandemia, Carvalho aponta o Mercadão Internacional como o empreendimento certo que chega no momento certo. “As questões que envolvem a cultura, a gastronomia e o empreendedorismo são trabalhadas de forma inovadora pelo Mercadão. É algo que vem sendo buscado no pós-pandemia, uma vez que percebe-se mudanças nos hábitos de consumo”, diz, ressaltando que cada vez mais o público irá buscar experiências de consumo.

Para o diretor do INDI, essas experiências podem ser traduzidas como viagens curtas realizadas por famílias e pequenos grupos durante os finais de semana rumo a locais abertos, em meio à natureza e com boa ventilação. “Minas Gerais é um estado com muitos atrativos nesse sentido, uma vez que possui cachoeiras, sítios, intensa vida rural e comidas típicas”, completa.

Em vez de destinos internacionais, viagens dentro do próprio estado e do país deverão atrair os brasileiros no pós-pandemia. Por sua vez, o Brasil deve ser apresentado ao mundo de forma bem diferente do país que já sediou Copa do Mundo, Jogos Olímpicos e outros eventos mundiais. “Norte-americanos e europeus gostam de fazer passeios em família. Minas é capaz de oferecer experiências riquíssimas e a um preço bem acessível a esses turistas”, aponta.

Retomada pós-pandemia

Carvalho acredita que a retomada da economia irá acontecer à medida que a população for vacinada. Nesse cenário, a reinvenção do comércio é indispensável. Para manter a competitividade em meio a tantas mudanças, ele destaca alguns requisitos necessários para os empreendimentos, a exemplo da adesão à tecnologia.

Isso passa pelas formas de pagamento que devem ser oferecidas pelos estabelecimentos, tais como pix e cartões de crédito e débito, pela integração com aplicativos de delivery (principalmente pelo ramo de alimentação) e pela presença digital dos negócios em sites e redes sociais. “O brasileiro nunca esteve tão conectado”, constata.

O Mercadão, que já conta com sinal da operadora Claro, foi projetado para ser “instagramável”, ou seja, capaz de render feeds, selfies e vídeos nas redes sociais, visto que há belíssimas obras artísticas e lindas paisagens no local, sem falar que essa conexão também irá favorecer a divulgação de marcas que apoiam o Mercadão.

Para Carvalho, a comunicação de um empreendimento é muito relevante. “É preciso ir onde o consumidor está. Saber se o público em questão utiliza o Instagram ou o TikTok, por exemplo. Há ainda o hábito de tirar fotos dos pratos, o que impacta o mercado da gastronomia. Por isso mesmo, além de gostoso, o prato precisa ser bonito”, aconselha.

Na visão do diretor do INDI, o Mercadão irá beneficiar não apenas os seus lojistas, mas também o comércio além muro. “Esse movimento irá impulsionar outros negócios, funcionando como uma âncora de inovação e revitalização da região. Isso irá encorajar muitas pessoas a empreenderem”, prevê.

O turismo, por si só, emprega muitas pessoas direta e indiretamente e impacta mais de 50 setores. Para que a retomada da economia seja benéfica, é fundamental que os empreendedores apoiem uns aos outros e invistam na capacitação de seus funcionários que, para Carvalho, representa cerca de 50% de responsabilidade. “A outra metade cabe ao funcionário que, por sua vez, também é responsável e deve ser capaz de enxergar oportunidades”, define.

Para sair na frente, Carvalho, que é diretor do INDI desde maio e também atuou como secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico e Empreendedorismo de Extrema, município do sul de Minas, de 2017 a 2021, destaca a hospitalidade e a gastronomia mineira como os carros-chefes da cultura do Estado. “O calor humano é um grande diferencial, principalmente em comparação a grandes cidades”, diz.

A propósito, a gestão de Carvalho na cidade do Sul de Minas foi responsável por atrair grandes empresas, fábricas, renda e empregos para a região, além de tornar Extrema um atrativo ponto turístico, capaz de competir em pé de igualdade com a concorrida São Paulo, que fica a cerca de uma hora e meia da cidade.

“Eu mereço”

Com a crescente vacinação da população e os benefícios que ela traz, os profissionais do INDI idealizaram o movimento “Eu mereço”. Afinal, depois de quase dois anos de incertezas, inseguranças, isolamento social e restrições em função da pandemia do novo Coronavírus, é preciso retomar a economia e incentivar o consumo de produtos e serviços. Afinal, todos merecem trabalhar, empreender, prosperar, consumir e se divertir. Dentro das normas de biossegurança, é claro.

Sobre o Mercadão Internacional de Lagoa Santa

Idealizado e projetado pelo empresário Rubens Lourenço, que buscou inspiração em mercadões nacionais e internacionais para criar o empreendimento, o Mercadão Internacional de Lagoa Santa possui um espaço de aproximadamente 45 mil m². É um mercado público que irá abrigar praça de alimentação; espaço kids; espaços para shows, peças de teatro e eventos culturais, esportivos e corporativos; um núcleo do grupo de teatro de bonecos Giramundo; exposições de artistas plásticos; pista de ciclismo; deck; réplica de Maria Fumaça; um Boeing que funcionará como bar e boate e, claro, o melhor da gastronomia nacional e internacional. Com 90% das obras concluídas, está previsto para ser inaugurado em 2021.

Para Ana Lúcia Araújo, diretora executiva do Mercadão, a importância de ter o apoio de instituições como o INDI chancela e fortalece o trabalho que vem sendo feito. “Com o avanço da vacinação no Brasil já conseguimos avançar com mais segurança para abertura do empreendimento. O ´Eu Mereço´ que nos foi apresentado pelo Adriano, com certeza será um grande impulsionador da economia", aposta.

Por Redacao

.

No Dia da Cerveja, Editora Krater e Ambev anunciam concurso para encontrar novo escritor de livro cervejeiro no Brasil

Vai Ter Samba confirma shows de Menos é Mais, Pixote, Akatu e Hott no Mega Space