Médico adota técnica holística para apoiar pessoas a envelhecer sem dor

Método propicia maior qualidade de vida

Pelo menos 30% da população mundial sofre com alguma dor crônica, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, isso significa que quase 70 milhões de pessoas convivem com algum incômodo prolongado ou permanente. Esses números tendem a aumentar, já que o Ministério da Saúde prevê que, em 2030, a quantidade de idosos no Brasil ultrapassará o total de pessoas com até 14 anos de idade.

A lista de doenças dolorosas é bem extensa e inclui enxaqueca, hérnia de disco, cefaleias em geral, lombalgia, neurites, osteoporose, pacientes em fase terminal, polineuropatias, dor no câncer, úlceras, herpes, dor osteomuscular e até dor da depressão, entre outros males que tendem a se agravar com a idade. A pandemia também ajudou a aumentar o quadro de dores crônicas, devido a sequelas em pacientes curados e a mudanças de hábitos durante a quarentena, como, por exemplo, má postura em home office, interrupção de atividades físicas e fatores emocionais, como ansiedade e depressão.

anúncios

Alguns profissionais com visão mais holística sobre o assunto, ao considerarem também as emoções e hábitos de vida dos pacientes, conseguem obter resultados admiráveis, não só no público com mais de 50 anos mas também em pessoas mais jovens. É o caso do médico Geraldo Eugênio Richard Carvalhaes, um dos pioneiros nesse tipo de tratamento no Brasil, com mais de quatro décadas dedicadas a fazer cessar a dor e trazer de volta a qualidade de vida de milhares de pessoas.

“A maior parte dos pacientes que recebo são encaminhados por outros médicos, que, apesar de terem curado suas doenças, não tiveram sucesso em sanar suas dores. Tratei, inclusive, de pacientes que, mesmo com membros amputados, continuavam a sentir as mesmas dores que os castigavam anteriormente”, revela.

A razão, segundo ele, está no enfoque do tratamento, muitas vezes incompleto. “A dor tem uma importante função. É ela que nos indica quando algo não está bem em nosso corpo e que precisa ser cuidado, porém muitos outros fatores estão envolvidos. Por isso, nem sempre basta tratar o sintoma. É preciso buscar a causa, que nem sempre é só física, podendo ser também emocional”, explica Carvalhaes.

Adoecimentos da mente têm crescido mundialmente e já estão entre as principais causas de incapacitações no século 21. Infelizmente, muitos médicos não levam esses fatores em conta nas consultas e acabam por dar diagnósticos incompletos ou até mesmo equivocados. “Na China milenar, já diziam que não existem doenças, mas pessoas doentes. Por isso, precisamos conhecer a pessoa que está por trás da dor de nosso paciente, conversar com ela, saber seus problemas, aflições, rotinas, vícios, alimentação, e não somente pedir exames e receitar remédios”, afirma Carvalhaes.

“Embora demande muita qualificação e maior tempo dedicado aos pacientes, tratar com um especialista em dores crônicas não é caro e pode ser acessível a uma grande parcela de pessoas, por meio de convênios e planos de saúde”, desmistifica Carvalhaes.

Clínica da Dor

A Clínica de Dor foi fundada na década de oitenta, sob a direção e coordenação do Dr. Geraldo Eugênio Richard Carvalhaes. Com sede própria,  a clínica procura manter sempre uma qualidade em seu atendimento, cujo relacionamento médico-paciente é compreender o sofrimento do paciente tendo como preceito fundamental que o médico deve curar às vezes, aliviar quando possível e consolar sempre. Atualmente dentro de uma visão interdisciplinar. Formada por um profissional especializado em instituições de ponta e aperfeiçoamento no exterior. Dentro de uma visão interdisciplinar, a Clínica de Dor compõe-se de um corpo clínico com diversas especialidades, formadas por profissionais especializados em instituições de ponta e aperfeiçoamento no exterior.

Serviço:

anúncios

Mais informações pelo endereço https://clinicadador.com/ ou pelos telefones: (31) 3337-3039 / (31) 3337-3516 

Conheça 20 lugares para pedalar e conhecer a cidade em Belo Horizonte

Passeio Costa Leste de Jericoacoara