Março e abril com Festival Villa-Lobos no Programa Harmonia, da Rede Minas

Série estreia, neste domingo (06), com Marcus Viana e Carminha Guerra, além de execuções de obras que cercam o universo do maestro brasileiro

Em comemoração aos 135 anos de nascimento do maestro Heitor Villa-Lobos, o programa Harmonia, da Rede Minas, exibe, com exclusividade, o Festival Villa-Lobos. Durante os meses de março e abril, a atração mostra, aos domingos, entrevistas e apresentações com grandes nomes da música de Minas Gerais e do mundo. Promovido pela Karmim Promoções, a série especial mostra recortes da vida e o legado do mestre que norteiam a linguagem musical, erudita e popular, até os dias de hoje.

A estreia traz o compositor e multi-instrumentista Marcus Viana e a pianista e produtora cultural Carminha Guerra. Em comum, eles têm o flautista e maestro Sebastião Viana. O músico é pai de Marcus, foi diretor da Escola de Música da UFMG quando Carminha ainda era estudante e trabalhou ao lado de Villa-Lobos como seu assistente e revisor de obras. A intimidade do maestro e seu trabalho são apresentadas em um bate-papo descontraído que mostra um pouco do gênio e do homem que marcou a história com suas partituras.

anúncios

“A gente conta a história musical do Brasil antes de Villa e depois de Villa”. A declaração é de Marcus Viana e compartilhada pela amiga Carminha Guerra. Eles falam sobre a obra do maestro, as influências e o legado que deixou para o Brasil. No programa, ainda relatam lembranças compartilhadas por Sebastião Viana, braço-direito de Villa-Lobos, ao filho Marcus. A vida desse gênio, que já foi contada em filmes e livros, ganha um novo interlocutor, que passou a infância com olhos e ouvidos atentos ao ícone da música, considerado, ainda em vida, o maior das Américas.

O cenário musical visto a partir da ótica de Villa-Lobos também está presente na série, que traz apresentações que se relacionam com o maestro. Um deles é Johann Sebastian Bach, fonte de inspiração para o compositor. “Villa-Lobos é uma vida inteira reverência a Bach”, diz Marcus Viana. Pensando nisso, a série traz prelúdio da Suíte para Violoncelo solo nº 1, do compositor alemão, com execução da violoncelista russa Svetlana Tovstukha; além do prelúdio das Bachianas Brasileiras nº 4, de Villa-Lobos, com o pianista Túlio Mourão; e Águas, Marcelo Magalhães Pinto, no piano.

Marcus Viana atuou por sete anos como violinista da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, tocou ao lado de grandes nomes da música, como Milton Nascimento, e fundou o “Sagrado Coração da Terra”. Considerado um dos grandes compositores de música instrumental brasileira, também realizou trilhas sonoras para cinema e TV, como “Pantanal” e “Terra Nostra” e “Olga”. Carminha Guerra estudou música, mas ganhou a cena com a Karmim Promoções e o Selo Karmim, que lançou nomes e álbuns importantes, como os primeiros CDs de Gilvan Oliveira e “A Floresta do Amazonas”, de Heitor Villa-Lobos, com a Orquestra Sinfônica do Rio de Janeiro, regida pelo maestro Henrique Morelembaum e solo de Maria Lúcia Godoy, além de CDs de poesia, como “O tom de Adélia Prado”, com a narração da própria poeta, e “Areia do Tempo”, com poemas de Helena Jobim e música de Tom Jobim. Na bagagem, ainda diversos Festivais de música erudita, entre eles o “Festival Mozart”, “Festival Chopin”, “Os 200 anos de Schumann” e “Os 200 anos de Franz Liszt”.

Essas e outras novidades o público confere no programa Harmonia, no próximo domingo (06), às 22h. Apresentado pelo jornalista Luciano Correia, o programa vai ao ar pela Rede Minas e no site da emissora: redeminas.tv. Após a exibição, a série especial “Festival Villa-Lobos” é disponibilizada no canal da Karmim Promoções no YouTube: www.youtube.com/SeloKarmim.

SERVIÇO:
Harmonia especial – Festival Villa-Lobos
Apresentação: Luciano Correia
Data: março e abril (estreia: domingo (06), às 22h)
Rede Minas e site da emissora: redeminas.tv

Por Redacao

.

Decreto da Prefeitura de Belo Horizonte desobriga o uso da máscara em locais abertos

Casa Fiat de Cultura abre a programação 2022 com a exposição “À superfície, em silêncio”