‘Era da disseminação de conteúdo desafia empresas de ensino no Brasil’, diz Luiz Marcatti

Para CEO da Mesa Corporate Governance, instituições de ensino precisam repensar modelos de negócios e planejar sucessão para garantir a longevidade dos negócios

São Paulo, Dezembro de 2020 – Em razão da crise imposta pela pandemia do novo coronavírus, as empresas do mercado educacional aceleraram a transformação digital para se adaptar à educação a distância e se depararam com desafios contínuos para o crescimento dos negócios. A profissionalização da gestão e a estruturação de governança corporativa são fundamentais para garantir a perenidade das empresas. A análise é do presidente da consultoria Mesa Corporate Governance, Luiz Marcatti, e foi feita durante encontro virtual organizado pelo Sindepes/DF (Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos Particulares de Ensino Superior do Distrito Federal).

O evento foi conduzido pelo professor doutor Márcio Dias, diretor da entidade, e está disponível no canal do Sindepes/DF no Youtube https://www.youtube.com/watch?v=b6J2iBVG14o

Integrante de conselhos de administração, Marcatti relata que muitas companhias estão hoje mais preocupadas com a profissionalização da gestão para elevar a competividade e garantir a longevidade dos negócios. Aumentar os resultados operacionais e financeiros acima da média de mercado, manter a perenidade e o sucesso no segmento são alguns dos resultados que as empresas visam quando implementam processos de governança corporativa.

anúncios

“Com uma análise mais aprofundada para iniciar o projeto de governança, profissionalizar a gestão significa iniciar o projeto de sucessão empresarial das próximas gerações, depois do ciclo do fundador. Hoje, a cada 100 empresas, cerca de 25 conseguem sobreviver durante a transição da primeira para segunda geração”, explica o presidente da Mesa.

Estruturar um projeto de boas práticas de governança corporativa envolve, inclusive, trabalhar as principais deliberações para o futuro do negócio. Com base nos principais conceitos da governança – Transparência, Equidade entre públicos, Responsabilidade e impactos sobre resultados alcançados e Responsabilidade Corporativa – os executivos criam regras e práticas para avaliarem, decidirem e monitorarem o negócio junto ao seu público-alvo, ao mercado, ao relacionamento com seus fornecedores e ao ambiente em que vivemos.

“Ao longo dos últimos anos, o setor educacional passou por importantes transformações e registrou aumento no número de fusões e aquisições. Com governança corporativa mais estruturada, a empresa tem mais solidez para crescer”, ressalta Marcatti.

Outro desafio para as empresas é mostrar uma estrutura reformulada e destacar os reais diferenciais para continuar no mercado, que hoje vive o momento da disseminação de conteúdo junto com um novo comportamento do cliente. “Muitas empresas no exterior já compreendem e prestam mais atenção nas habilidades de um colaborador do que exatamente no seu grau acadêmico. O momento é de um ciclo mais produtivo – aprender, trabalhar, reaprender, desaprender o que não precisa mais e buscar conhecimento”, explica o executivo.

Diante dos últimos posicionamentos do governo brasileiro em relação à atuação do setor de educação para 2021, as companhias precisam traçar estratégias para a tomada de novas decisões e levar segurança para o negócio. “Companhias com ambiente de governança corporativa atuante e competente, e até mesmo que consigam compartilhar ideias com outros empresários, que agregam valor e visões do futuro, atingirão os objetivos”, afirma Marcatti.

Sobre a Mesa Corporate Governance

A MESA Corporate Governance trabalha a governança corporativa e familiar na dimensão humana do poder, dinheiro e afeto. A empresa é constituída por uma equipe de consultores especialistas e experientes que atendem às necessidades nos diferentes momentos de modernização de empresas de origem familiar ou multissocietárias, quer sejam de capital fechado ou com ações listadas em bolsas de valores. Também é filiada às seguintes entidades e instituições: AMCHAM Brasil, IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, ICGN – International Corporate Governance Network, FBN – Family Business Network e NACD – National Association of Corporate Directors.

Por Redacao

.

“Profissional de hoje deve ter plano de A a Z”

Falta de acesso à tecnologia é maior entrave para programas sociais