EMGD investirá quase meio bilhão de reais no Norte de Minas

Empresa Mineira de Geração Distribuída planeja instalação de usinas fotovoltaicas em 22 municípios da região mais carente do estado, gerando mais de 1.500 postos de trabalho

Crédito: Divulgação

A contribuição da Empresa Mineira de Geração Distribuída (EMGD) ao povo do estado vai muito além dos descontos viabilizados através da compensação energética. Transcende também as benesses ambientais resultantes da geração de uma energia limpa e renovável. A cada usina fotovoltaica (UFV) desenvolvida, a empresa desempenha um papel social de suma importância, reduzindo as desigualdades sociais e regionais das localidades onde se insere.

Patrick Lüdtke, Diretor de Engenharia, José Francisco Dutra, Diretor Financeiro, André Sallum, Diretor Controller e Cristiano Piroli, Diretor Comercial / crédito: Osvaldo Castro

Reconhecidamente uma das áreas mais carentes do estado, a região Norte de Minas Gerais receberá nos próximos quatro anos a implantação de, no mínimo, 35 usinas fotovoltaicas da EMGD. “Temos pareceres positivos para a construção dessas 35 usinas, mas seguimos avaliando novas possibilidades e, em um futuro próximo, superaremos a marca de 40 unidades”, garante André Sallum, diretor controller da empresa. De acordo com ele, o cumprimento desse portfólio representará investimentos de até R$ 500 milhões.

A expressiva quantia viabilizará o aquecimento da economia daquela região, gerando aproximadamente 1.500 postos de trabalho durante o período de construção, e quase 200 vagas permanentes, tão logo as usinas iniciem suas operações. “Esses números vão além, já que serviços como hotelaria, alimentação, dentre outros, se beneficiam de maneira indireta. Além disso, a arrecadação dos impostos municipal e estadual será incrementada”, ressalta André.

Em uma região de poucas oportunidades, os números apresentados pela EMGD representam um panorama bastante positivo para os moradores do Norte de Minas. Contudo, as boas notícias se expandem também aos mineiros espalhados pelos outros cantos do estado, já que vão poder contar com o aumento na oferta de energia limpa e renovável, e com a possibilidade de economizarem até 18% em suas contas de luz. “Ao fim da expansão, esperamos ter contribuído para a redução na conta de energia de ao menos 10.000 clientes mineiros”, planeja André.

Por ora, o serviço oferecido pela Empresa Mineira de Geração Distribuída é destinado apenas às pessoas jurídicas. Entretanto, dentro do plano de expansão da empresa o atendimento às pessoas físicas está cada vez mais perto. “Nosso objetivo é oferecer essa economia para todos, sem distinção”, finaliza. 

Como funciona?

Processo de compensação energética

A Empresa Mineira de Geração Distribuída viabiliza a economia na conta de luz do empresariado mineiro através de compensação energética. O cliente aluga uma cota de produção de energia capaz de suprir sua média de consumo. Essa produção mensal, realizada nas usinas fotovoltaicas, alimenta a rede da Cemig que, por sua vez, abate do consumo registrado na conta de energia daquele mês, gerando economia média de até 18%, se comparado ao valor normal que o cliente pagaria caso não contasse com os benefícios da EMGD.

Esse sistema disponibiliza ao cliente um retorno sem contrapartidas, já que não é necessário nenhum investimento inicial ou instalação de qualquer equipamento, taxa de mensalidades e prazo de fidelidade. “É uma relação muito prática onde o cliente só paga após receber, sobre o que receber e se receber”, esclarece André.

Concebida em 2016, momento de grande avanço no desenvolvimento da modalidade de Geração Distribuída (GD) no Brasil, a EMGD passou os últimos quatro anos em processo de maturação, se adequando em todas as frentes até a chegada do atual cenário: a finalização de sua primeira fazenda solar. Localizada em Pirapora, região Norte de Minas Gerais, a Usina Fotovoltaica (UFV) Corvina, como foi batizada, aguarda apenas os trâmites de conexão com a Cemig, previsto para acontecer até o início de agosto, para a tão aguardada iniciação.

Conduzido pela expertise de sete nomes de peso relevância no cenário empresarial mineiro, o grupo de acionistas que compõe o conselho administrativo da EMGD é formado por membros ligados a diversos setores, da siderurgia à construção civil. Dentre eles, dois economistas com consolidada atuação no mercado financeiro, José Francisco Dutra e André Sallum de Mendonça, que ladeiam sua gestão com nomes de peso como Ricardo Valadares Gontijo, Ricardo Ribeiro Valadares Gontijo e Rafael Passos Valadares, ligados à construtora Direcional Engenharia. Além, ainda, da densa atuação de executivos que fizeram história no Grupo Gerdau, como Daniel Antônio Miranda de Mesquita, Ex-Diretor Industrial do grupo e Manoel Vitor de Mendonça Filho, ex-Vice Presidente do Grupo Gerdau.

A UFV Corvina, responsável pela geração da energia compensada pela EMGD, tem potência total de 6 megawatts-pico (MWp) e ocupa uma área de 11 hectares, o equivalente a 15 campos de futebol. Com investimento inicial na ordem de R$ 25 milhões, a usina conta com 15 mil placas fotovoltaicas capazes de fornecerem cerca de 925 mil quilowatts-hora por mês, o suficiente para suprir o consumo de 600 empresários que aluguem a cota mínima exigida.

EMGD – Empresa Mineira de Geração Distribuída
Infos:
 
https://www.emgd.com.br/; 
(31) 99939-4412

Written by Nancy Ribeiro

Interface Comunicação conquista novos clientes

Grupo EPO completa 28 anos com lançamentos estimados em R$ 420 milhões de VGV em 2020