Como foi o Carnaval em BH

Surpreendente

Fotos: Alan Monteiro

Como nunca antes na história de Belo Horizonte, em seus 120 anos de fundação, a cidade se regenera por iniciativa popular em uma festa democrática onde a irreverência e a alegria dos foliões criaram um ambiente onde os interessados em cair na folia puderam participar sem distinção de classe social, cor, raça, idade, gênero ou qualquer outro tipo de segregação. Aqui o preconceito e a intolerância passaram longe. Com ou sem fantasia, com ou sem confete, glitter e purpurina, os foliões puderam participar da folia pela cidade nos Blocos carnavalescos sem precisar gastar muito dinheiro.

A transformação de uma cidade que até meados de 2010 não tinha nenhuma tradição em fazer carnaval de rua e atrair turistas para este tipo de evento foi brilhante. Os esforços da Prefeitura, Belotur, BH Trans e Polícia Militar em organizar a cidade para um evento de iniciativa popular dessa vez foi aperfeiçoada e muito acertada. Tudo funcionou perfeitamente bem. A expectativa da Belotur era de contar com a presença de aproximadamente 550 mil turistas nas ruas da capital, quase 200 mil a mais que na Copa do Mundo de 2014 e um público estimado de 3,5 milhão de foliões nas ruas da cidade. A rede hoteleira através da ABIH (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Minas Gerais), a Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav), a BH Air Port (Concessionária do Aeroporto de Confins) juntamente com a Belotur a meu ver, não chegarão nem perto do número de turistas que curtiram o Carnaval de Belo Horizonte pelo simples motivo de o povo mineiro ser considerado acolhedor e de hospedar parentes e amigos em suas casas. Quem também comemorou muito com a movimentação na cidade nesse período do ano foi o comércio com a venda de fantasias e adereços, alimentação, bebidas e etc. O setor pode ter arrecadado mais que o esperado durante o período.

anúncios

A folia aqui iniciou no sábado bem cedinho, logo após o cafezinho reforçado para aguentar o pique frenético do carnaval. As condições climáticas, o trânsito, a segurança e os preços justos dos setores de alimentação e bebidas que foram praticados favoreceram muito para a consolidação do Carnaval de Belo Horizonte no cenário nacional. Desfilaram 485 Blocos durante o carnaval na capital e muita, muita alegria estampada nos rostos das pessoas eram recorrentes em registros pessoais e postados nas redes sociais. Esses registros podem ser a abonação de que em 2019, esses mesmos foliões estejam planejando estar em Belo Horizonte durante a maior manifestação cultural do mundo.

Belo Horizonte que há pouco tempo atrás era um “deserto do Saara” para eventos de grande visibilidade, agora passa a ser visto como um “mar de oportunidades” a ser melhor explorado no período do carnaval e no restante do ano, basta trabalhar de forma estratégica e focada no interesse da cidade. Só assim Belo Horizonte vai conquistar mais olhares no cenário nacional e sul americano podendo trazer eventos de maior porte e superar cidades com expertise consolidada como Rio de Janeiro e São Paulo que passam por problemas de segurança pública.
Se Belo Horizonte já causava uma boa impressão nos foliões pelo sucesso que foi o carnaval de 2017, em 2018 foi a vez de consolidar o Carnaval de Belo Horizonte cada vez mais surpreendente no cenário nacional, atraindo mais turistas, movimentando o comércio e despontando o poder de Minas Gerais em poder produzir grandes eventos. Surpreendente mesmo.

Texto: Wagner Liberato – Jornalista especialista em Comunicação Estratégica
Fotos: Alan Monteiro
Fonte: Nova Comunicação e Marketing Digital

#CarnavalizaBH – Alô Abacaxi, Beiço do Wando e vários outros blocos desfilam nesse domingo

Orquestra Filarmônica de Minas Gerais comemora uma década de existência